Alto do Moura

O nome Alto Do Moura deve-se à chegada de um português chamado MOURA para ali viver, estabelecendo-se na parte mais alta do bairro; assim as pessoas referiam-se ao lugar como o Alto do Moura.
Localizado na zona oeste, a aproximadamente 7km do centro de Caruaru, concentra a maior parte da produção de peças utilitárias e figurativas em barro, graças às mãos de artesãos e discípulos de mestres, o que o fez ser conhecido como Maior Centro de Artes Figurativas das Américas.
Além do artesanato em barro, vários restaurantes e bares populares formam um centro gastronômico onde o carro-chefe dos cardápios é o “Bode/Carneiro”.
O bairro também abriga o Projeto Sustentável do Coletivo Mulheres de Argila, que trabalha com as sobras do tecido jeans, chamadas ourelas.

Inaugurado em 2013, no Parque das Esculturas Luísa Maciel, localizado no Loteamento Auto das Sete Luas, estão expostas réplicas em tamanho gigante de peças de renomados artesãos caruaruenses, como Mestre Galdino e Vitalino. Entre as principais estão:
- O Sanfoneiro, de Leonildo do Nascimento Silva;
- A Noiva, de Marliete Rodrigues;
- O Mané Pãozeiro, de Joel Galdino;
- O Lampião, de Luiz Carlos Rodrigues;
- Dona Joana do Reizado, de Manuel Eudócio;
- O Eletricista, de Luiz Antônio da Silva;
- O Homem Voltando da Roça, de Severino Vitalino;
- O Bacamarteiro, de Ednaldo;
- As Sete Luas, de Terezinha Gonzaga;
Entre outras esculturas.

 Para saber mais:
1 - O nome do parque é uma homenagem à artista plástica Luísa Maciel (*19/07/1926 +27/12/2012) que representou o cenário das artes plásticas em Caruaru. Além de artista plástica, era folclorista e poetisa. A pintora recebeu mais de 50 prêmios e condecorações. Foi a Delegada Oficial do Conselho Internacional das Organizações de Festivais Folclóricos e Artes Tradicionais – CIOFF/UNESCO.
2 -  Em 1931, nasce Manuel Eudócio Rodrigues na vila do Alto do Moura. Começa a modelar o barro da mesma maneira como as demais crianças criadas em ambientes oleiros. Em 1949 conhece Mestre Vitalino, tornando-se então seu discípulo. Inicialmente produzia esculturas em barro natural, mas influenciado pelo mercado, passa a pintar parcialmente as peças com tintas fortes e coloridas, criando assim um estilo próprio o que o fez ser mestre também.  Foi agraciado em 2009 com o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco. Faleceu em 13/02/2016.